quinta-feira, 23 de março de 2017

Galpão enfeitado com cortinas

Nosso galpão já está quase virando nossa casa principal. É nosso lugar preferido para passar o fim de semana. Tudo que sobra em casa, na casa de amigos e da família vem pra cá. Já está ficando entulhado de coisas. Mas não consigo jogar nada fora. A sala já está com cortinas novas. Modelo aqui. 






Inventei uma cortina enfeitada de luzes de natal.



Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 20 de março de 2017

Encerrando a praia


A tardinha quando o calor ficava mais ameno, fazia um fiambre para acompanhar o chimarrão e lá nos íamos, eu  e Alfredo, pescar. Ao cair da tarde era a hora que mais pegávamos peixe. Esse ano foi muito bom para pesca e para alegria do Alfredinho.







Essa papa terra escapou da linha, mas Alfredo conseguiu pegar novamente.



A casinha da praia está decaindo. Alfredo não sabe se reforma a velha ou faz uma nova. Todo ano ele preparava uma poção mágica contra os cupins. Ele fazia uma mistura com óleo diesel, naftalina e algum inseticida forte vendido no mercado. E aplicava em toda casa.  Porém perdeu a guerra contra os cupins.









Carnaval de Solidão está afamado. A figura principal de Solidão é o Manequinha, conhecido com barro velho. Ele faz o show nos bailes do CTG do Joãozinho.








Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

terça-feira, 14 de março de 2017

Momentos


No passado 02/03/1985, unimos nossas vidas. Bah! Lá se foram 32 anos de casamento. Com um casal de filhos adoráveis e bondosos. Do tempo passado só lembro-me das coisas boas. Se teve algum momento de conflito, esse caiu no esquecimento. Parece que nos conhecemos ontem. Obrigado meu Deus por sermos abençoados com esta linda família e uma vida cheia de contentamentos.
                   







Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Paisagens Perdidas


Autoria: Jayme Caetano Braun

A tarde recolhe o manto,
carqueja e caraguatá;
na corticeira um sabiá
floreia o último canto!
Alargando o gargarejo,
da sanga que se desmancha,
há um eco pedindo cancha
no primitivo falquejo!

A lua nasce num beijo,
prateando o lombo do cerro
e um grilo acorda um cincerro,
do meu retiro de andejo!

Paisagens de campo e alma
perdidas no vem e vai,
soluços do Uruguai
que bebe lua e se acalma:
a noite passa à mão salva,
com ela vem a saudade,
olfateando a claridade
das brasas da Estrela D‘Alva!

Nascem rugas no semblante,
paisagens da natureza
que a força da correnteza
não pode levar por diante;
então exige que eu cante
quando me encontro desperto,
mas sempre que chego perto
meu sonho está mais distante!

Paisagens de sombra e luz,
como é que pude perdê-las?
Ficaram as 5 estrelas
fazendo o “ sinal da cruz “ ! 
































Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Cusco Baio



Autoria: Jayme Caetano Braun

Entre os amigos que tenho,
Irmãos da lida campeira,
Há um cusco baio coleira
Que vai junto, quando saio.
Botei-lhe o nome de Raio
Pois é um raio de ligeiro,
E não há melhor parceiro
Do que o meu cachorro baio.

Voltava, um dia, do povo,
Ao tranco do meu tordilho,
Assobiando um estribilho
Pra encurtar a madrugada,
Quando ouvi, sobre a calçada,
Um lamentoso ganido:
Era um cusquinho encolhido
Quase coberto de geada.

Sem mesmo apear do cavalo
Peguei o cusquinho feio
E botei sobre o arreio
Onde se ajeitou tremendo,
Parece que até sabendo
Que estava junto de alguém
Que conhecia também
As máguas de andar sofrendo.

Só quem não tem coração,
Ou não tem bom sentimento,
Ignora o sofrimento
Dos deserdados da sorte,
Desses que vagam, sem norte,
À margem da caridade.
Pois sem calor de amizade
A vida é pior do que a morte.

E assim o cusquinho feio
Foi morar no meu galpão.
É um amigo, desde então
Sempre a meu lado presente.
É o afeto permanente
Refletido com ternura
Naquela estranha doçura
Com que um cusco olha pra gente.

Foi crescendo e aprendeu
O serviço de campanha,
E na lida me acompanha,
Sempre ativo e oportuno.
Dá gosto ver o reiúno
Sair de dentro do mato
O mesmo que um carrapato
No focinho dum turuno.

E até parece mentira,
Hoje o antigo cusquinho
Pára rodeio sozinho
Igual ao peão mais campeiro,
Traz boi manso do potreiro
E é de lei – caçando paca
Ou no rasto duma vaca,
Dessas que esconde o terneiro.

Vai comigo, quando saio
Pra cuidar do meu arreio
E até quando carpeteio
Fica ali – a espera do grito,
Sobre os garrões sentadito
Bombeando – cheio de alma,
Como quem diz – muita calma
Que eu não te deixo solito.

Ainda lembro que uma vez
Meu cusco quase morreu
De um coice que recebeu
Dum redomão, na mangueira,
Doutra feita, uma cruzeira
O mordeu – não tinha cura,
Mas com leite e benzedura
Salvei meu baio coleira.

E agora vieram dizer-me
Que um cachorro enlouquecido
Mordeu meu cusco querido
E ele precisa morrer.
Não há mais o que fazer
É a solução – crua e cega –
Mais meu ser todo se nega
A cumprir esse dever.

E ali está o meu cusco baio
Naquele esteio amarrado
Olhar tristonho e parado,
Como a pedir-me socorro
Se matá-lo, sei que morro:
É muita barbaridade,
Pois eu só velho amizade
Nos olhos do meu cachorro

Esses poemas gauchescos retratam nosso modo de viver e nosso saudoso tempo passado, com um estilo todo especial de relatar, com palavras faladas no campo e nas fronteiras de nosso pago, dificultando muitas vezes a interpretação. Ex: certa feita = certo dia.






Até a próxima se Deus quiser...


 Anajá Schmitz